8.07.2006

Fisiologia vegetal

Retirado do site: http://www.aultimaarcadenoe.com/biologia7m.htm

Influência Hormonal no Desenvolvimento Vegetal
Crescimento
O crescimento é um fenômeno quantitativo e pode ser entendido como "um aumento irreversível em tamanho ou volume, geralmente acompanhado por um aumento de peso e de quantidade de protoplasma".

Desenvolvimento
O desenvolvimento é entendido como "as modificações observadas na forma, bem como o estado de complexidade adquirido por um organismo". Trata-se de um fenômeno qualitativo.

Crescimento celular
Todo crescimento de uma planta resulta do crescimento de suas células:
- divisão celular: nesta fase as células estão em constante divisão por mitoses. Os tecidos meristemáticos, localizados na ponta do caule e da raiz, é que apresentam suas células em constantes divisões celulares;
- distensão celular: uma vez cessada a divisão celular, as células devem crescer. Este crescimento ocorre predominantemente por distensão das paredes celulares;
- diferenciação celular: nesta fase as células ficam definitivamente adultas e passam a exercer funções definidas no corpo vegetal.

Cinética do crescimento
O crescimento pode ser medido em função do tempo, com o objetivo de se conseguir uma curva padrão de crescimento, a curva sigmóide.
A análise desta curva normal de crescimento mostra que o crescimento pode ser dividido em três etapas: 1ª - fase do crescimento lento; 2ª - fase do crescimento rápido; 3ª - fase do crescimento lento.

Hormônios Vegetais (fitormônios)
Fitormônios correspondem a uma série de compostos que agem em muitos fenômenos vegetais, tais crescimento, floração, divisão celular, amadurecimento de frutos, dormência de gemas etc.
São exemplos destes fitormônios: ácido indolilacético (auxina), giberelinas, etileno, citocininas, ácido abscísico etc.

Auxinas
Foram os primeiros hormônios descobertos nos vegetais. Correspondem a um grupo de substâncias que agem no crescimento das plantas e controlam muitas outras atividades fisiológicas.
A auxina natural do vegetal é o ácido indolilacético (AIA).
O vegetal produz o AIA, transformando um aminoácido conhecido por triptofano.
Além desta substância, existem outras denominadas auxinas sintéticas que agem de maneira semelhante ao AIA. Entre elas podemos citar: ácido indulbutírico, ácido naftalenoacético, ácido 2-4-diclorofenoxiacético etc.

Tropismos
São fenômenos de crescimento, ou de curvatura, orientados em relação a um agente excitante, isto é, a curvatura depende da direção de onde vem o excitante. Conforma a natureza do agente excitante, os tropismos são classificados em:
- fototropismo (luz);
- geotropismo (gravidade);
- quimiotropismo (substâncias químicas);
- tigmotropismo (contato).
Podem-se explicar os fenômenos trópicos baseando-se fundamentalmente em:
- o excitante deve incidir unilateralmente;
- as auxinas devem sofrer uma redistribuição, isto é, distribuir-se desigualmente nos dois lados do órgão excitado unilateralmente;
- a distribuição desigual poderia ser explicada por: transporte lateral de auxinas; produção desigual das auxinas no ápice; destruição desigual das auxinas.

Pigmento Fitocromo
Quimicamente, o fitocromo é uma proteína de cor azul ou azul-verde.
O fitocromo é um pigmento capaz de absorver a radiação vermelha.
- Ação do fitocromo:
- estiolamento: quando plantas jovens crescem no escuro, observamos que os caules tornam-se exageradamente longos e as folhas pequenas, fenômeno conhecido por estiolamento;
- fotoblatismo - germinação de sementes: nem todas as sementes dispõem de reservas suficientes para germinar a certas profundidades do solo. Existem sementes de algumas plantas que são pequenas e geralmente desprovidas de reserva. É o caso, por exemplo, das sementes de orquídeas, bromélias, begônias, certas variedades de alface etc. Estas sementes só conseguem germinar na superfície do solo, onde passam a receber luz e são chamadas de sementes fotoblásticas positivas. Há outras sementes que só germinam na ausência completa de luz, como acontece com algumas variedades de sementes de melancia e neste caso são chamadas de sementes fotoblásticas negativas. Aqui também o sistema fitocromo tem participação ativa;
- fotoperiodismo: a luz é importante para as plantas também com relação à duração, isto é, a duração dos dias e duração das noites. Tais fenômenos são conhecidos como fotoperiodismo, o qual é essencial para vários processos fisiológicos do vegetal, entre eles: floração, abscisão das folhas, formaÇão de raízes tuberosas, formação de bulbos, fechamento dos folíolos das leguminosas etc;
- floração: é a transformação das gemas vegetativas em gemas florais. Muitas plantas, para florescerem, dependem do fotoperiodismo e são normalmente divididas em: a) plantas de dias curtos; b) plantas de dias longos; c) plantas indiferentes (neutras).

Temperatura e floração
A relação entre a temperatura e a floração pode ser estudada sob dois aspectos:
- os efeitos diretos da temperatura sobre as plantas;
- os efeitos produzidos posteriormente no tratamento térmico.
Os primeiros interferem nos efeitos de fotoperiodicidade.
Os efeitos posteriores ao tratamento térmico foram observados nas plantas bianuais.

Giberelinas
São hormônios vegetais descobertos no Japão, por meio do estudo de plantas de arroz que se tornavam muito alongadas quando sofriam infecções por fungos Giberella, conseguindo-se extrair destes fungos uma substância ativa no crescimento e que foi chamada ácido giberélico. Atualmente são conhecidas cerca de 20 substâncias que, genericamente, são conhecidas por giberelinas.

Etileno
O gás etileno é um produto do metabolismo das células vegetais e é considerado atualmente um hormônio vegetal. Este gás é capaz de provocar a maturação dos frutos. Em algumas plantas, o etileno é capaz de provocar o início da floração. Ademais, o etileno também é capaz de provocar a abscisão das folhas e o aparecimento do gancho apical no estiolamento.

Citocininas
São substâncias capazes de regular as divisões celulares dos vegetais.

Ácido abscísico
Em climas temperados, as estações do ano são nítidas. Nos períodos favoráveis (primavera e verão) as gemas das plantas estão em intensa atividade, dividindo constantemente as suas células e promovendo o crescimento vegetal. No período desfavorável (inverno ou uma época de seca) as gemas devem permanecer dormentes e protegidas para suportarem vivas tais períodos.
Foi observado que, antes do período desfavorável, a planta produz um hormônio denominado ácido abscísico (dormina), responsável pela dormência das gemas do caule.

Fitoalexinas
São produzidas pelas células vivas das plantas em resposta a uma infecção do seu corpo, provocada por fungos. Estas substâncias são fungitóxicas.

Vitaminas
Nos vegetais podem ser consideradas como hormônios e são de importância as vitaminas do complexo B.

Os movimentos dos vegetais
Podem ser classificados em dois tipos:
- Movimentos de curvatura (crescimentos): tropismos (movimentos de curvatura orientados em relação a um agente excitante) e nastismos (movimentos de curvatura não orientados em relaÇão ao agente excitante. Só ocorrem em órgãos dorsiventrais. Exs.: fotonastismo, tigmonastismo, quimionastismo, nictinastismo);
- Movimentos de locomoção (deslocamento): tactismos (movimentos de deslocamento de seres vivos. Exs.: quimiotactismo, aerotactismo, fototactismo).

Nenhum comentário:

Postar um comentário