4.15.2009

Como estão as pesquisas com as células-tronco no Brasil?


Da Ciência hoje on-line

O biólogo Stevens Rehen (foto ao lado) da Universidade Federal do Rio de Janeiro fala sobre o desenvolvimento da pesquisa em células-tronco no Brasil.


As células-tronco, grande esperança da medicina para a cura de diversas doenças, têm aparecido cada vez mais no noticiário nos últimos tempos. Os estudos na área avançam rapidamente em todo o mundo, inclusive no Brasil. O Estúdio CH desta semana apresenta as últimas novidades e os desafios das pesquisas brasileiras com células-tronco. Para contar o que acontece nas bancadas dos laboratórios brasileiros, Mariana Ferraz ouviu o biólogo Stevens Rehen, pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Segundo ele, há uma revolução em curso no que diz respeito às pesquisas com células-tronco. “O mais legal é poder fazer parte dela”, ressalta, enfatizando a participação do Brasil nesse processo. Rehen fala sobre uma das conquistas mais recentes na área: a transformação de células da pele em células-tronco embrionárias, capazes de formar todos os tipos celulares do corpo humano adulto. A técnica, desenvolvida no Japão, foi usada com sucesso pela primeira vez no Brasil por pesquisadores do laboratório chefiado por Rehen na UFRJ, em colaboração com um grupo do Instituto Nacional de Câncer (Inca). O biólogo apresenta outros resultados de seu laboratório, como a criação de um método que permite a produção de células-tronco em larga escala a um custo mais baixo e que poderá ser usado para suprir laboratórios de pesquisa no Brasil e na América Latina. A obtenção da primeira linhagem brasileira de células-tronco embrionárias, projeto que teve a colaboração de Rehen, também é destacada. O pesquisador aponta ainda os desafios e dificuldades dos estudos com células-tronco no Brasil, além da importância do jornalismo científico para informar a população sobre o real estágio das pesquisas e a possibilidade de desenvolvimento de terapias celulares.





Ciência Hoje On-line 08/04/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário